Os desafios da Inovação na Rede Federal

IFSUL 2Nesta terça-feira (19/10), é comemorado no Brasil o Dia Nacional da Inovação. No entanto, em 2021 a celebração acontece em meio à polêmica do corte de 90% dos recursos destinados a bolsas de apoio à pesquisa do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). Na prática, dos 690 milhões de reais para o Ministério restam apenas R$ 55,2 milhões. O revés no orçamento afetará diretamente a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

Um levantamento realizado pelo Fórum de Pró-Reitores de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Forpog), do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), com 24 das 41 instituições da Rede Federal, mostra que, ao menos, 8,5 mil projetos serão impactados pelo corte. “Nós vamos ter impactos em mais de 1,7 mil grupos de pesquisa. E esse é um número mínimo. Nós já estamos tendo problemas de iniciação científica”, afirma André Romero, coordenador do Forpog.

Quando o assunto é inovação, os números da Rede Federal empolgam, de acordo com Romero. Segundo os dados, apenas em 2019, as instituições pesquisadas fizeram o depósito de 215 patentes de inovação, 39 patentes de utilidade, criaram 150 softwares, registraram 26 marcas, além do registro de uma Indicação Geográfica e um Desenho Industrial.

“O orçamento da Rede Federal vem em declínio há alguns anos e não temos como sustentar todos esses projetos sozinhos. As Fundações de Amparo à Pesquisa (FAP) também já não conseguem sustentar sozinhas toda essa demanda. E ainda assim a Rede tem um resultado fabuloso. Se houvesse mais investimento, poderíamos atender mais pessoas, mais arranjos produtivos locais e fazer muito mais pelo nosso país”, completa André Romero.

Polos de Inovação – Para ampliar a competitividade e a produtividade do parque industrial nacional, a Rede Federal possui 13 polos de inovação, que atuam a partir do desenvolvimento de 281 projetos de pesquisa aplicada. As unidades são compostas por laboratórios, em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). Os projetos são executados por estudantes, professores, profissionais da indústria e pesquisadores do Brasil e do exterior. A Rede Federal mantém ainda 106 núcleos incubadores em sua estrutura. Esses ecossistemas inovadores estão presentes 24 unidades da federação.

Mobilização – Diante dos cortes no orçamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em articulação com outras entidades científicas e acadêmicas nacionais, realizou a “Mobilização em Defesa da Ciência”. O encontro, realizado na tarde da sexta-feira (15/10), teve o propósito de mobilizar a comunidade em um movimento em defesa da CT&I e Educação no país.

O Conif também realizou na sexta-feira uma transmissão ao vivo sobre os impactos da redução dos financiamentos em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) na Rede Federal. Durante o encontro, a presidente do Conif, Sônia Regina de Souza Fernandes, ressaltou a importância do investimento em PD&I para o desenvolvimento pleno do Brasil. “Estamos falando de um tema de extrema importância para a Rede e para o país. A Rede tem uma ampla capilaridade e atende a todas as regiões brasileiras, garantindo a inserção de pesquisadores em diferentes formas e níveis. A pesquisa, o desenvolvimento e a inovação estão no nosso cerne e é o que garante que sejamos Instituições de Educação Profissional, Científica e Tecnológica”, afirma.

Assessoria de Comunicação do Conif
Texto: Marcus Fogaça
Foto: Ascom IF Sul
Revisão: Fernanda Torres

Please publish modules in offcanvas position.